O Poder Magnético Segundo São Cipriano

São Cipriano foi um homem quase sobrenatural. Com a sua dedicação e amor pelas ciências ocultas, chegou a descobrir, entre outros fenômenos, àquele que se chama poder dos ímãs ou magnetos.

Estas substâncias têm a propriedade de atrair vários metais, como o ferro, o aço, o níquel, o cobalto, o cromo etc.

Asseverava o grande São Cipriano, nos seus importantes manuscritos, que nas Ilhas Maniolas (entre as de Ceilão e Málaca), situadas na Taprobana, existe uma força prodigiosa e misteriosa.

E, para confirmar o que dissera, a verdade é que ainda hoje não podem passar pelas extremidades desta Ilha os navios que não sejam construídos de madeira, pois embarcações que tão-somente têm para sua solidez alguns arcos de ferro, chapas ou pregos, voam e desconjuntam.

Templo Magnético

São Cipriano deixou dito mais: que o teto da igreja do grande profeta Maomé continha um ímã muito poderoso, que serviria para continuar a credulidade neste fundador do islamismo.

E isto também ficou confirmado, pois quando ele morreu, deitaram-no em um caixão de ferro e, quando penetraram no interior da igreja, eis que aconteceu o caso lembrado por São Cipriano, porque o poderoso ímã fez com que o caixão fosse para o céu… da igreja.

Isso com grande espanto e veneração daquela seita islâmica, conquistando a fama que ainda tem o milagroso profeta.

O Segredo para Magnetizar uma Garrafa D’Água

Apanhe uma garrafa quase cheia de água do mar e coloque-a sobre uma mesa de pinho; assente-se em uma cadeira, de forma que não esbarre na mesa.

Feito isto, ponha as pontas dos dedos no gargalo da garrafa, e os dedos da outra mão quase ao fundo da dita garrafa, fixando a vista na garrafa, assim se deixará ficar por um espaço de 3 horas.

Logo que a água comece a fazer espuma e a garrafa a mover-se, estará pronta a mágica branca, ou magnetismo.

Depois que a água ficar completamente magnetizada, basta só beber um ou dois goles da dita água para se ficar completamente magnetizado e durante o sono obter-se tudo quanto se deseja, havendo primeiro o cuidado, antes de se beber a água, de dizer-se o que se deseja naquele momento ou depois.

Logo que se acordar, estarão completamente satisfeitos os favores almejados.

O Réptil Magnetizador

Quem é que não se sentiu — pelo menos uma vez na vida, atraído por uma pessoa ou uma coisa que o subjuga, que o cativa, que o domina, que o torna escravo, manietado, preso, sem poder mover-se livremente, perdendo toda a noção exata do seu próprio eu?

Quem é que, ao contrário, nunca teria também subjugado uma pessoa, sob o seu poder, dominando-a, dela fazendo tudo quanto quis?

Quem ainda não viu uma cobra magnetizar um pássaro? O réptil sai do mato e vem alojar-se, colocando-se debaixo de uma árvore, a alguma distância do galho onde um passarinho, descuidado, cantava alegremente.

A linda avezinha, que sonoramente gorjeia, enchendo os ares com os seus cantos dulcíssimos, não cessa de cantar, não cessa de voejar, de saltar de ramo em ramo.

Mas já não são os mesmos trilos sonoros e prazenteiros. Não é, também, mais o mesmo voo descuidoso e livre.

Ao ver o imundo e asqueroso crótalo, o pássaro, fascinado, começa a desferir um choro lamentoso, um cantar pungentíssimo, entrecortado de pios funéreos.

Canta e voa. Suas asas, porém, parecem estar presas por laços invisíveis. Do último galho onde pousara, vem descendo para outro mais baixo, e assim sucessivamente, sem deixar de fitar a cobra.

Essa, também olhando-o sempre, escancara a goela e aguarda tranquilamente, cônscia do seu poder, na sua força natural.

A ave, sem poder resistir, entra finalmente em suas mandíbulas abertas!

O Amor Magnetizador

Hércules, o herói que ainda hoje simboliza a força. Hércules, o guerreiro valente, cuja presença fazia tremer os inimigos, amava tanto Omfale, e dela se sentiu tão cativo, que fiava como uma mulher, sentado a seus pés!

Influência dos Planetas

Debalde, a ciência vai procurando, e ainda procura, explicar esses fenômenos, indo sempre esbarrar ao domínio do maravilhoso.

É fato incontestável que os planetas têm profunda influência sobre o corpo do homem. A influência que os planetas têm uns sobre os outros, bem como a influência do sol e da lua sobre a atmosfera terrestre, sobre os mares, estendendo-se até sobre os homens e os animais, e fazendo-se espalhar no sistema nervoso, é fato que Cipriano constatou.

Atribuía, Cipriano, essa influência geral à um fluido sutil (mais tarde, chamado de magnetismo animal) semelhante àquele pelo qual se explica a ação enérgica do ímã.

Fluido Nervoso

Esse fluido nervoso — eletricidade animalizada — é o elemento que domina em todos os fenômenos da vida, e é, até certo ponto, o primeiro incitador das forças orgânicas.

No fluido nervoso, reside a sensibilidade que se distribui pelos tecidos orgânicos, de maneira a torná-los aptos para receberem e sentirem as impressões exteriores e transformá-las em sensações nas células nervosas e de contratilidade, as quais se dispõem a manifestar a impressão recebida pelos movimentos caracterizados nas contrações, distensões e no encolhimento.

Esse fluido nervoso tem ainda a sua modificação produzindo emanação, a que se pode chamar — fluido moral imaterializado —, que inspira os sentimentos de prazer, de dor moral, de ódio, o qual, atuando sobre o organismo humano, decompõe o corpo.

Fluido Moral

O fluido moral é uma chama que se dilata e passa como a do fogo ordinário, que leva os seus átomos ao espaço e tem tanta força que, na própria atmosfera onde está, se irradia os seus eflúvios, como aconteceu com a mulher doente que ficou inteiramente curada só tocando a túnica de N. Senhor
Jesus Cristo.

Esse fluido moral vem com o gérmen da vida e tende sempre ao bem do homem e, se este se perverte, é por ser mal dirigido, porquanto ninguém vem a este mundo para ser desgraçado, pois tudo na natureza é perfeito, harmonioso e belo, tendo por fim o progresso e a perfeição, cuja liga é o fluido do amor quando prende e harmoniza a lei comum fluídica e universal.

A Força da Vontade

A vontade é o grande motor de todas as nossas ações. Querer é poder — eis uma grande verdade. Aquele que quiser, que souber querer firmemente, inabalavelmente resolvido a querer, tudo conseguirá, devido somente ao seu extraordinário esforço de vontade.

Mau-Olhado

Há pessoas que dispõem de grande poder ou força magnética. Geralmente, essa força reside nos olhos, o que leva à teoria do mau-olhado.

Quem não tem, por acaso, encontrado certa pessoa que, ao lhe ser apresentada, desde logo grandemente nos impressiona pela força do seu olhar e faz sentir esquisitas sensações?

Muitas vezes, em uma reunião, os olhos humanos são levados, atraídos irresistivelmente por outro olhar humano.

Sem explicação, sente-se preso, e não consegue livrar-se dele. É a força do olhar. Pois bem, há o olhar que, além de fixar e penetrar, consegue secar, paralisar e até matar.

Modo de Magnetizar uma Pessoa

A pessoa que se pretende magnetizar deve sentar-se numa cadeira frente ao magnetizador, ficando este suficientemente afastado e sem entrar em contato com ela.

O magnetizador, geralmente, fica de pé, e se, porventura, necessitar sentar-se, deve procurar sempre um lugar mais alto do que o magnetizando, de modo que o movimento dos braços, que é obrigado a fazer, não se torne demasiado fatigante e dê bom resultado.

Em seguida, fixa os olhos com grande tenacidade, com uma vontade sobre-humana, firme e determinada de obter o que se deseja.

Ao cabo de alguns segundos, coloca as pontas dos dedos sobre o umbigo da pessoa que se quer magnetizar, e passados ainda alguns segundos, levanta as pontas dos dedos muito devagar e incline-as ao pescoço do magnetizando por espaço de cinco minutos, tornando a descê-las ao umbigo, onde
as conservará por cinco minutos.

Depois de haver feito tudo, quanto ficou dito, chegue-se o magnetizador um pouco mais para o magnetizando, incline-se sobre ele, para que se estabeleça assim a corrente elétrica entre um e outro corpo.

Durante todo este tempo, o magnetizador não deverá cessar, nem um instante, de olhar fixamente para o magnetizando e terá o pensamento preso no que está executando.

Daí a poucos minutos, o magnetizando dormirá um sono profundo. Certificando-se de que dorme, na verdade, dirá mais ou menos o seguinte:

— “Bem; está dormindo… Dormindo profundamente… Agora, não poderá acordar senão quando eu quiser… Os seus olhos estão fechados… Estão grudados… Não poderá abri-los.

As duas pálpebras pesam como se fossem de chumbo… Está dormindo… dorme… dorme… Continue a dormir…”

O magnetizador deverá falar com voz forte, lenta e compassada. Depois, perguntará:

— Está dormindo?

— Estou. (dirá o outro)

— Que sente?

Conforme a resposta, acrescentará:

— Não, não sente nada… Não quero que sinta coisa alguma… Tem de dormir calmamente.

Compreende-se que isto só ocorrerá nas primeiras vezes. Com o correr do tempo, quando o magnetizando estiver bem mais dependente, às vezes, basta a simples ordem:

— Dormir!

Acompanhando-se esta ordem de um olhar penetrante, o magnetizando dormirá logo. Neste caso, o magnetizador poderá perguntar ou ordenar (nos limites do possível) tudo o que for da sua vontade, que não viole os conhecimentos do magnetizado.

Fonte: Livro São Cipriano, o Legítimo Capa Preta

Deixe um comentário