São Cipriano – O Bispo

São Cipriano - O Bispo 19 Ago

São Cipriano – O Bispo

São Cipriano, o Bispo de Cartago, Mártir e Padre latino, converteu-se ao cristianismo quando tinha trinta e cinco anos de idade.

No ano 249, foi escolhido para bispo de sua cidade e empenhou-se na organização da Igreja na África.

Revelou-se extraordinário mestre de moral cristã. Deixou diversos escritos, sobretudo cartas, que constituem preciosa coleção documental sobre fé e culto.

E contribuiu para a criação do latim cristão. Por causa de sua radical conversão, muitos ficaram espantados, já que era bem popular.

Com pouco tempo, foi ordenado sacerdote e depois sagrado bispo num período difícil da Igreja africana.

Diante da perseguição do imperador Décio em 249, Cipriano escolheu esconder-se para continuar prestando serviços à Igreja.

No ano 258, o santo bispo foi denunciado, preso e processado. Existem as atas do seu processo de martírio que relatam suas últimas palavras do saber da sua sentença à morte.

O Livro de São Cipriano, O Bispo

A Igreja, na época de São Cipriano, vivia intenso fervor. As sangrentas perseguições, que desde Nero (ano 64 dC) a sacudiam, somente faziam aumentar o fervor, e os mártires entregavam suas vidas com amor e fé.

Mesmo com todo este fervor, surgiam grupinhos de hereges que, desejosos de ‘autonomia’, pregavam uma doutrina diferente da dos Apóstolos e dos Bispos da Santa Igreja de Cristo.

Para combater estas heresias, Cipriano divulgou, por volta do outono do ano de 251, como ele mesmo diz, um livrinho de conduta cristã, denominado: “Catholicae Ecclesiae Unitate” – “A Unidade da Igreja Católica”.

Além disso, São Cipriano, Bispo de Cartago, deixou numerosos escritos teológicos, hoje em dia editados, que nada tem a ver com magia ou ocultismo.

Gozou de grande fama e estima após a sua morte, pois foi um mártir heroico, que marcou a Igreja do seu tempo.

Curiosidades de São Cipriano, o Bispo

  • A sua festa é celebrada a 16 do setembro.
  • Diversas pessoas foram tocadas pela demonstração fervorosa de amor a Deus que o bispo pregava e assim, multidões o seguiam e eram conquistadas pelas suas palavras.
  • Durante a perseguição do imperador Décio, em 249, grande número de fiéis e sacerdotes, até mesmo bispos, fraquejaram perante as torturas e renunciaram à fé cristã. Por esses atos ficaram conhecidos como “cristãos lapsos”.
  • Em Roma, fora eleito o papa Cornélio, com amplo apoio dos bispos liderados por Cipriano, que apreciava muito a conduta de seu colega bispo, com o qual trocava muita correspondência.
  • Uma controvérsia, que assolava a Igreja na época, era a validade ou não dos batismos realizados por hereges. Essa era a única divergência que existia entre o papa Cornélio e o bispo Cipriano. O papa, seguindo a tradição da doutrina, considerava válidos os batismos, já o bispo dizia que “não se pode dar a fé a quem não a tem”. Assim, a questão permaneceu sem solução.

O Bispo Cipriano – História do Cristianismo

Frases de São Cipriano de Cartago (Bispo e Mártir)

1 – “Quem abandona a cátedra de Pedro, sobre a qual está fundada a Igreja, ilude-se de permanecer na Igreja”.

2 – “O Senhor assim fala a Pedro: ‘Digo-te que és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja’… (cf. Mt 16, 18s). Só sobre ele educa a Igreja… Esta unidade devemos firmemente manter e defender, especialmente nós bispos, que na Igreja governamos…”

3 – “Fora da Igreja não há salvação”.

4 – “Também a Igreja é una, e estende-se amplamente a uma grande multidão com o incessante incremento da sua fecundidade; do mesmo modo que os raios do sol são muitos, mas uma só é a luz; e muitos são os ramos da árvore, mas um só é o tronco, que se afunda no terreno com resistentes raízes; e, quando de uma só fonte jorram diversos cursos de água, embora pareça que o número deles se ramifique por causa da abundância de água, todavia há sempre uma só fonte…”

5 – “Não pode ter Deus como pai quem não tem a Igreja como mãe”.

6 – “Há um só Deus, um só Cristo, “uma só é a Igreja, uma só a fé, um só povo cristão, estreitado em firme unidade pelo cimento da concórdia: e não se pode separar o que é uno por natureza”.

7 – “A nossa oração escreve é pública e comunitária e, quando nós rezamos, não rezamos por um só, mas por todo o povo, porque com todo o povo somos uma coisa só”.

8 – “Quando se reza, além disso, adote-se um modo de falar e de rezar que, com disciplina, mantenha a calma e a discrição. Consideremos que estamos diante do olhar de Deus”.

9 – “É preciso ser agradáveis aos olhos divinos tanto com a atitude do corpo como com a tonalidade da voz…”

10 – “A Igreja universal aparece como “um povo unido pela unidade do Pai, do Filho e do Espírito Santo” .

11 – “Não dispersar as nossas orações com vozes descompostas, nem fazer com tumultuosa verbosidade um pedido que deve ser recomendado a Deus com moderação, porque Deus ouve não a voz, mas o coração”.

12 – “Imploremos o Senhor com sinceridade e em harmonia, sem nunca deixar de pedir e confiantes de obter”.

13 – “Vivi neste nosso mundo totalmente afastado de Deus, porque as divindades tinham morrido e Deus não era visível. E vendo os cristãos, pensei: é uma vida impossível, isto não se pode realizar no nosso mundo! Mas depois, encontrando-me com alguns deles, entrando na sua companhia, deixando-me guiar no catecumenato, neste caminho de conversão a Deus, pouco a pouco compreendi: é possível! E agora estou feliz por ter encontrado a vida. Compreendi que aquela outra não era vida e, na verdade confessa eu sabia mesmo antes que aquela não era a vida verdadeira”.

14 – “Guardai, ó virgens, guardai aquilo que sois. Guardai o que sereis. Espera-vos uma coroa magnífica. Já começastes a ser o que nós seremos. Tendes já neste mundo a glória da ressurreição!”

15 – “Deus não aceita o sacrifício do que vive em discórdia, e manda-o retirar-se do altar para ir primeiro reconciliar-se com seu irmão, porque só as orações de um coração pacífico poderão obter a reconciliação com Deus. O sacrifício mais agradável a Deus é a nossa paz e a concórdia fraterna, e um povo cuja união seja um reflexo da unidade que existe entre o Pai, o Filho e o Espírito Santo”.

Compartilhe Esta Página:
São Cipriano - Biografia (Quem Foi São Cipriano e o Que Ele Fez?) 16 Ago

São Cipriano – Biografia

São Cipriano é venerado pela Igreja Ortodoxa e Católica como cristão de Antioquia, que sofreu o martírio em Nicomédia, em 26 de setembro de 304.

São Cipriano era filho de pais pagãos muito ricos e, desde a infância, Cipriano foi induzido aos estudos da feitiçaria e das ciências ocultas, como a alquimia, astrologia, adivinhação e as diversas modalidades de magia.

Após muito tempo viajando pelo Egito, Grécia e outros países, aperfeiçoando seus conhecimentos, aos trinta anos de idade, Cipriano chegou à Babilônia a fim de conhecer a cultura ocultista dos Caldeus.

Certa vez, um rapaz chamado Áglede recorreu a Cipriano para que o feiticeiro aplicasse seu poder de modo que uma donzela, de nome Justina, abandonasse a fé e se entregasse ao matrimônio.

Cipriano, então, investiu a tentação demoníaca sobre Justina. No entanto, a ineficácia dos feitiços fez com que Cipriano se desiludisse profundamente perante sua fé pagã e se voltasse contra o demônio.

Justina rebatia os feitiços de Cipriano com orações e com o sinal da cruz. Sabendo disso, Cipriano converteu-se ao cristianismo e passou a viver uma vida cristã juntamente com Justina.

As notícias da conversão e das obras cristãs de Cipriano e Justina chegaram até o imperador romano Diocleciano, que se encontrava na Nicomédia, e era contra os cristãos, o que o fez persegui-los até capturá-los.

Justina foi chicoteada e Cipriano açoitado com pentes de ferro, mas não cederam.

Irritado com a resistência, Diocleciano ainda lançou Cipriano e Justina numa caldeira fervente de banha e cera.

O feiticeiro Atanásio, que havia sido discípulo de Cipriano, julgou que as torturas não surtiam efeito devido a algum sortilégio lançado por seu ex-mestre.

Na tentativa de desafiar Cipriano e elevar a própria moral, Atanásio invocou os demônios e atirou-se na caldeira, o que levou-o a morte instantânea.

Após este fato, o imperador Diocleciano, finalmente, ordenou a morte de Justina e Cipriano, arrancando-lhes a cabeça.

O Livro de São Cipriano

Atualmente, são publicados diversos grimórios atribuídos a São Cipriano de Antioquia, que teriam sido escritos antes de sua conversão ao cristianismo, sendo denominados genericamente como “Livros de São Cipriano”, contendo orações e rituais de magia negra e tratando de outras práticas relativas ao ocultismo.

Embora o livro se coloque como escrito por São Cipriano, o livro real apareceu séculos após sua morte e não poderia ter sido escrito por ele; na verdade, a primeira edição conhecida saiu em 1846, sendo, portanto, um livro pseudepigráfico.

Mas, segundo a lenda, o famoso Livro de São Cipriano foi redigido antes de sua conversão, e o mistério que envolve a vida do Santo interfere também em seu livro.

Também é dito que, na verdade, São Cipriano teria escrito três livros: o Capa Preta, o Capa Branca e o Capa de Aço, sendo que os três se completariam e ainda exigiriam do dono a solução de códigos ou enigmas.

E ainda há quem diga que só existem as versões Capa Preta e Capa de Aço, sendo que a segunda não teria sido escrita por Cipriano, mas por discípulos dele.

Os rituais e conhecimentos aprendidos com a famosa Bruxa de Évora, quem ensinou a magia negra a Cipriano, também estão contidos neste livro.

Curiosidades Sobre São Cipriano

  • A lenda de Cipriano, tido como autor do livro, também conhecido como Cipriano de Antioquia, confunde-se com Cipriano de Cartago, santificado pela Igreja Católica.
  • Cipriano, o feiticeiro, é celebrado no dia 3 de outubro. 
  • Após a morte de Évora, Cipriano apoderou-se dos manuscritos da jovem bruxa e da comida da despensa dela, com os quais pode invocar a presença do diabo.
  • São Cipriano, de codinome “Feiticeiro”, é considerado o padroeiro das bruxas e das ciências ocultas.
  • Aos 7 anos, Cipriano já era um jovem mago, sabia invocar trovões, ventos, formar tempestades no mar e na terra.
Compartilhe Esta Página:
São Cipriano e Wicca - O que a Wicca tem a ver com São Cipriano? 16 Jul

São Cipriano e Wicca

Será que existe alguma ligação entre São Cipriano e a Wicca? Muitos relacionam o livro de São Cipriano com a Wicca, mas fazem isso por não se aprofundarem nos estudos da Wicca.

Na verdade, a Wicca nada tem a ver com São Cipriano. De acordo com o site caldeiraodecirce.blogspot.com, os wiccanos ou wiccanianos não creem no diabo cristão e, por obviedade, não o invocam em seus sabás.

Pratica Wicca de forma correta aquele que celebra o ciclo vida-morte-renascimento. A Wicca é uma religião neopagã e não pré cristã, por isso, apesar de celebrar também a morte, uma pessoa que pratica Wicca não sacrifica animais, por mais que possamos constatar que civilizações pré cristãs o faziam.

Não tem nada a ver uma pessoa que se diz praticar Wicca buscar em São Cipriano algum ensinamento. Sendo até contraditório, em alguns casos.

O que a Wicca Pensa de São Cipriano?

Em geral, os Wiccanos não aderem muito a São Cipriano pelo estigma deixado por tanto tempo de Cristianismo e a Wicca tenta, em geral, se afastar desta vertente e explorar os cultos pré-cristãos de diversas culturas.

Mas, afinal, o que é Wicca?

Wicca é uma religião xamânica moderna baseada em rituais pagãos antigos, e também pode ser chamada de bruxaria.

As crenças wiccanas fazem parte do neopaganismo, onde se enquadram os grupos que acreditam em crenças europeias anteriores ao cristianismo, como a religião celta.

O nome Wicca teria origem no inglês antigo, e seu significado representa a pessoa que pratica bruxaria. Os seguidores da Wicca chamam a si mesmos de bruxos e bruxas, mas devido ao preconceito relacionado a estes termos, passaram a utilizar também a palavra “wiccanos”.

Parte da má fama da Wicca dá-se à confusão de que seriam uma seita satanística, de adoradores do diabo, ligando a bruxaria exclusivamente à magia negra.

O que ocorre é que os cultos da Wicca não são dedicados ao demônio, e se quer existe o conceito de inferno e diabo como na teologia cristã.

Entre os símbolos da Wicca, o principal é o pentagrama Wicca, que é formado por uma estrela de cinco pontas inserida em um círculo.

O pentagrama é utilizado em forma de pingente pelos wiccanos e funciona também como uma forma de identificação entre os seguidores.

Os seguidores da Wicca não sacrificam animais. Para os seus seguidores, a Wicca, ou chamada “a arte”, é a religião do amor e da alegria, que entre suas crenças está a relação das pessoas com a natureza.

Para a Wicca, as pessoas pertencem à natureza, e não ao contrário, e que os animais e elementos naturais todos seriam relacionados com as pessoas, como irmãos.

Os rituais Wiccas são utilizados como forma de restabelecer esta relação com a natureza, e acontecem de acordo com os ciclos da lua ou mudanças de estações.

Os feitiços na Wicca acontecem junto aos rituais, e nunca visam o mal de outra pessoa. Entre as crenças wiccanas, existe a chamada “Lei Tríplice”, que entende que qualquer coisa que alguém deseje para a outra deverá voltar em triplo para si.

A religião Wicca é politeísta, existindo mais de um deus a ser reverenciado. Entre as várias linhas e/ou interpretações das crenças Wicca, ao menos duas divindades são comuns: a Deusa, que é a representação da Terra e da Lua, e o seu consorte, o Deus Cornífero (Deus dos Chifres), que é o Sol e os animais.

Não existe um livro sagrado da Wicca. A Wicca, no Brasil, existe desde a década de 1980, quando grupos trouxeram a crença da Europa, e passaram a fazer seus rituais também aqui.

A partir de 1990, houve um maior contato entre os wiccanos brasileiros e europeus, de forma a regularizar e estruturar a religião no país.

Existem templos e grupos seguidores de Wicca por todo o Brasil, principalmente em Brasília e São Paulo.

Compartilhe Esta Página:
São Cipriano - Vida e Obra (A História e Religião de Cipriano) 30 Jun

São Cipriano – Vida e Obra

Se você tem dúvidas sobre São Cipriano, conhecer a vida e obra dele o ajudará a tirar essas dúvidas e formar sua opinião sobre o homem que ele foi e o santo que ele se tornou.

Há um abismo histórico e religioso na vida desse homem que, além de feiticeiro, casou-se com uma cristã, converteu-se ao Catolicismo e tornou-se um mártir da Igreja Católica.

Cipriano e Justina produziram suas obras cristãs pregando o catolicismo em Nicomédia, mesmo sendo proibido, e foi por isso que ambos foram perseguidos, presos e torturados até a morte.

Assim que Cipriano foi feito Bispo, ele promoveu a jovem Justa ao cargo de diaconisa; trocou seu nome pelo de Justina e a fez Superiora de uma comunidade monástica.

O resto da vida de Cipriano foi dedicada a combater as heresias.

Quem foi Cipriano?

Cipriano foi um homem que dedicou boa parte de sua vida ao estudo das ciências ocultas, mas se arrependeu de sua vida de feiticeiro e se tornou temente a Jesus Cristo.

O famoso Livro de São Cipriano foi redigido antes de sua conversão, mas o mistério que envolve a vida do Santo interfere também em seu livro e alguns fatores colocam em dúvida a fidelidade das versões recentes, se comparadas às mais antigas.

Enquanto feiticeiro, Cipriano fazia uso de um pó que despertava a luxúria nas mulheres, oferecia sacrifícios e empregava diversas obras malignas, mas suas obras cristãs foram muito maiores que as suas obras malignas.

Inclusive, em certa época de sua vida, obteve algum estilo e ensinamentos da famosa Bruxa de Évora, com a qual aprendeu magia negra.

O livro Capa Preta é dividido em dez partes e considerada a única das obras que contém a Oração da Cabra Preta Milagrosa.

São Cipriano, o Bispo de Cartago, e São Cipriano, o Feiticeiro

Muitas fontes afirmam que São Cipriano, o Bispo de Cartago, e São Cipriano, o Feiticeiro, se tratam da mesma figura histórica, sendo que por motivos de ocultação da vida pecaminosa de São Cipriano antes da sua conversão, se procurou criar a ideia de que o São Cipriano santificado era uma figura totalmente distinta do São Cipriano o bruxo, assim retirando de São Cipriano o Bispo e o Santo, a pesada macula de todos os seus anteriores pecados.

São Cipriano, o Feiticeiro, viveu uma vida de bruxarias e riquezas, sendo que dizem certas lendas que São Cipriano foi dono de um fabuloso tesouro, onde se encontravam tanto os seus manuscritos secretos sobre assuntos místicos e bruxaria, como uma fortuna financeira incalculável, adquirida através do exercício das suas artes esotéricas.

São Cipriano, o Bispo de Cartago, viveu uma vida de castidade e virtude, vindo a ser ordenado sacerdote, e mais tarde alcançado a posição de Bispo de Cartagena.

A Verdadeira Vida e Obra de São Cipriano

Todo percurso de São Cipriano, o Feiticeiro, é um verdadeiro hino á vida humana no maior esplendor da sua existência, assim como toda a vida de São Cipriano é uma vida inteiramente dedicada ás obras do espirito e ao mistério da paixão pelos caminhos do espirito, e, por isso, olhai:

Do Diabo a Deus, dos anjos aos demônios, da feitiçaria a fé crista, da magia negra a magia branca, em tudo São Cipriano mergulhou, estudou e viveu.

Controverso e polêmico, em São Cipriano está a própria noção de evolução espiritual através da profunda vivência das mais diversas realidades espirituais (do mais profano excesso á mais sacrificada ascese), encontrando corpo na vida e obra deste feiticeiro e mártir.

Por causa de um pacto com o demônio, São Cipriano ter-se-ia entregue a uma vida de luxúria e pecado, por forma a satisfazer o demônio, entregando belas mulheres á perdição e perversão das seduções carnais.

Deve-se olhar a São Cipriano no seu todo, ou seja, deve-se olhar para todo o homem e para toda a vida do santo, pois da mesma forma que não é possível partir um homem ao meio, então também não é possível conhecer ao santo dividindo-o em dois.

E, por isso, como se poderá alguma vez compreender a mensagem e o ensinamento do santo, se não se olhar a toda a sua vida, e a toda a sua vivencia?

E, por isso, toda a vida do santo deve ser olhada, pois o santo nem negou as coisas do espírito, nem negou as coisas da santidade; E o santo não negou nem as coisas místicas, nem negou as coisas de Deus; E, antes porém, o santo tudo isso viveu, e tudo isso vivenciou, para deixar ao mundo um legado e uma mensagem de fé, e essa mensagem foi tal conforme já nas escrituras é anunciado, onde assim está escrito:

O SENHOR DOS ESPÍRITOS (…) se manifestou

2 Macabeus 3,24

Pois então:

Deus é Senhor dos espíritos, e Deus é Senhor de todos os espíritos, e Deus é Senhor de todas as coisas do mundo do espírito, e por isso no mundo do espírito nada dará fruto se Deus não quiser, e com Deus tudo dará fruto.

Se não fosse toda a vida do santo, tanto antes como após a sua conversão, então jamais tamanha chave lhe teria sido dada, para que lhe permitisse verdadeiramente vislumbrar as leis do mundo do espírito, e assim deixar um legado de sabedoria inigualável.

E, por isso, assim se pode entender a mensagem de São Cipriano:

Deus é espírito, e Deus é o Senhor dos espíritos, e por isso todas as coisas do espírito são de Deus, e todas as coisas do mundo do espírito são as coisas do reino de Deus; E, por isso, todas as coisas do espírito são boas se vividas em Deus, e todas as coisas do espírito dão fruto se vividas com Deus, e porém sem Deus não há prodígios possíveis, e fora de Deus não há maravilhas.

Pois, então, todas as coisas do mundo do espírito são boas e nenhuma é desprezível, se elas foram vividas em Deus, e se praticadas com Deus.

Em assuntos de males que afetam as vidas do sofredor e lhe trazem apenas contratempos, padecimentos e tribulações, assim está revelado na obra de São Cipriano:

Os verdadeiros e eficazes remédios são os de que usa a igreja, e estes são: o sinal da cruz; a invocação dos santíssimos nomes de Jesus e Maria; os exorcismos; os jejuns; as orações; as esconjurações; as relíquias de santos; a bênção das casas; aspersões de água benta.

Pois assim se conhecem os verdadeiros remédios, que no altar de São Cipriano são usados para ajudar todo aquele que vê a sua vida destruída pelo mal e o maligno que brota dos maus corações.

Compartilhe Esta Página:
São Cipriano - A Verdadeira História do Mago e Santo 19 Jun

São Cipriano – A Verdadeira História

São Cipriano, de codinome “Feiticeiro”, é considerado o padroeiro das bruxas e das ciências ocultas e o livro da Capa Preta é atribuído a ele, mas não existem provas de que ele tenha sido mesmo escrito pelo feiticeiro.

Cipriano e Justina, como mártires, foram canonizados e santificados como São Cipriano e Santa Justina. Portanto, São Cipriano passou de mago das ciências ocultas e bruxarias a Santo das religiões cristãs.

A figura de São Cipriano mago é lendária. Tanto que o “Livro Poderoso” deixado por ele: “lido para a frente, lido para trás”, provocaria fenômenos estranhos: as vacas parariam de dar leite, os animais adoeceriam, os homens seriam prejudicados e assim por diante…

Por que São Cipriano foi assassinado?

O nome de São Cipriano, o seu zelo e as numerosas conquistas que fazia para o reino de Jesus Cristo não podiam ser ignoradas pelos imperadores.

Diocleciano, que então se achava em Nicomédia, informado das maravilhas que realizava São Cipriano, e da perfeita santidade da virgem Justina, passou ordem para que fossem presos, o que logo executou o Juiz Eutolmo, governador da Fenícia.

Conduzidos pois à presença desse juiz, responderam com tanta generosidade e confessaram com tanta eficácia a fé em Jesus Cristo que pouco faltou para converterem o ímpio bárbaro.

Mas, para que não se julgasse que ele favorecia os cristãos, mandou logo açoitar, com duas cordas, a Santa Justina, e despedaçar com pentes de ferro as carnes de São Cipriano.

Tudo com tamanha crueldade que até mesmo aos pagãos causou horror!

O que é o Livro de São Cipriano?

O Livro de São Cipriano é um grimório que contém diversos rituais de ocultismo e exorcismo, supostamente magias e “simpatias” (conjurações populares), com múltiplas finalidades, inclusive para o cotidiano.

Embora o livro se coloque como escrito por São Cipriano, o livro real apareceu séculos após sua morte e não poderia ter sido escrito por ele; na verdade, a primeira edição conhecida saiu em 1846, sendo, portanto, um livro pseudepigráfico.

Segundo a lenda, o famoso Livro de São Cipriano foi redigido antes de sua conversão, mas o mistério que envolve a vida do Santo interfere também em seu livro.

Também é dito que, na verdade, São Cipriano teria escrito três livros: o Capa Preta, o Capa Branca e o Capa de Aço, sendo que os três se completariam e ainda exigiriam do dono a solução de códigos ou enigmas.

Compartilhe Esta Página:
São Cipriano Para Vender a Alma Para o Diabo (É Mesmo Possível?) 4 Jun

São Cipriano Para Vender a Alma Para o Diabo

São Cipriano, O Último e Legítimo Capa Preta é o livro de São Cipriano que contém o pacto com Lúcifer, uma magia negra que transfere a Lúcifer total domínio sobre a alma de quem a fizer.

Muita gente dúvida que é mesmo possível vender a alma ao diabo, mesmo havendo muitas histórias sobre pacto com o diabo.

Alguns acham que a Oração da Cabra Preta do livro de São Cipriano é a forma de vender a alma para o diabo, porém a Oração da Cabra Preta é apenas uma oração de amarração amorosa, e não de pacto.

A maioria das pessoas querem fazer um pacto para ficarem ricas, mas também tem aquelas que buscam a saúde plena ao fazerem um pacto com o diabo.

São Cipriano, o mago, é procurado quando se deseja vender a alma para o diabo, porque ele foi um feiticeiro que vendeu a alma ao diabo.

Quem já leu o livro de São Cipriano sabe como vender a alma para o diabo. Caso você ainda não saiba, o Livro de São Cipriano é um grimório publicado em diversos países, inclusive no Brasil, e qualquer pessoa pode comprá-lo.

Se você tem a intenção de adquirir esse livro para vender a alma para o diabo, saiba antes que todo filho de Deus, que dá a sua alma para o demônio, será, ao mesmo tempo amaldiçoado.

Compartilhe Esta Página: